Everton Rosa compartilha experiência e conhecimentos no evento da Alasul

Everton Rosa compartilha experiência e conhecimentos no evento da Alasul

26 de Maio de 2010  ·  Diversos

No dia 26 de maio, uma quarta-feira, tive o prazer de assistir a palestra do Everton Rosa, grande profissional da área de fotografia de casamentos. Acredito que todos os fotógrafos, ao menos gaúchos, conheçam um pouco do trabalho dele e o que me chama atenção nele, principalmente, é seu belo posicionamento no mercado. É um fotógrafo que sabe “se vender”, no bom sentido do termo. Porque se queremos trabalhar com fotografia, precisamos ser lembrados, indicados, vistos, enfim. E ele sabe fazer isso de forma louvável.

Outro ponto interessantíssimo e que confere a ele um diferencial fascinante é sua pouca reserva em compartilhar sua experiência com os mais jovens. E quando falo em juventude, não falo sobre idade mas principalmente sobre juventude profissional. Mais importante do que esperar mil anos até se sentir pronto para fazer um determinado tipo de fotografia é ter a coragem de fazer e ver no que dá. Isso não exclui a importância do estudo, da técnica e tudo mais. Só não podemos ficar presos a isso, esquecendo-nos de praticar, inovar. Ver o Everton falando me dá a certeza de que todos nós podemos chegar onde quisermos, mas para isso é preciso trabalhar. É preciso estabelecer metas, objetivos e identificar qual é o nosso foco. E é preciso “meter a cara” e fazer.

Eu consegui fechar a cobertura do meu primeiro casamento, sem nunca ter feito uma foto de casamento. Meus clientes gostaram do meu trabalho com o que eu tinha até o momento em que eles me contrataram. É importante que as pessoas reconheçam o teu estilo ou tua forma de trabalhar e sintam-se seguras contigo. Isso é fruto não só de uma boa técnica mas também de um bom relacionamento. E é sobre isso, justamente, que o Everton falou tanto em sua palestra.


Admiro muito aqueles profissionais que não têm medo de compartilhar seu conhecimento com os outros. Como o próprio fotógrafo disse, não devemos falar mal de quem está começando, pois todo mundo já começou um dia… e depois, ao invés de reclamar, podemos ajudar o iniciante a fazer bem feito. Alguns dirão que isso é pura demagogia e marketing. Mas não é. Eu sempre acreditei que não devemos lutar pelo espaço mas sim por espaço. Isso quer dizer que o quanto mais nos unirmos, em qualquer categoria profissional, em busca de qualidade, mais isso agregará valor ao mercado e aos profissionais nele envolvidos. É claro que há aqueles iniciantes que não querem ser ajudados e que acham que tudo sabem, mas essa é outra história e deles não preciso e nem quero falar. Eu mesmo me considero uma eterna aprendiz e ainda estou longe de me achar experiente…

O conhecimento é uma coisa acessível a todos. Quando conversamos, participamos de fóruns, de cursos, palestras ou simplesmente vemos alguém fotografar, já podemos aprender muito. Basta estarmos abertos a isso. Sendo assim, perceber que o Everton, que hoje é uma espécie de celebridade no mundo da fotografia, cresceu em sua profissão baseado em princípios e conclusões com as quais eu concordo e me identifico, é animador. Não porque eu queira ser “famosa”, mas porque eu quero poder fazer bem aquilo que eu me propuser a fazer. E quero fazer de um jeito que me faça feliz e também aos meus clientes.

O próprio Everton afirmou algo que eu sempre disse sobre suas fotografias, só que com outras palavras. Eu costumo dizer que ele é um fotógrafo clássico. Mas não aquele clássico que faz fotos sem vida, simplesmente posadas. Ele é um cara que faz aquela fotografia redonda, linda, romântica. E romântico foi o termo que ele usou. Ele diz-se um fotógrafo romântico e brega, porque o amor é brega! Claro que isso foi uma graça feita por ele mas todos entenderam o que ele quis dizer. Atualmente, existem alguma dezena de fotógrafos fazendo coisas muito diferentes e inusitadas por aí e eu adoro isso. A foto documental, diferente, me inspira mais do que uma fotografia clássica, mas eu sempre reconheci que dentro desse estilo, o Everton é muito bom no que faz.

Em resumo, é importante dizer que o conhecimento não é estanque e que sempre podemos aprender com a experiência alheia. Cabe a nós tirarmos desta experiência aquilo que mais nos for conveniente.

Abaixo reproduzo algumas frases ditas pelo Everton e que sintetizam muito da mensagem que ele passou no evento:

“É importante identificar nossa missão, nosso propósito como fotógrafo. E perguntar ‘O que eu quero da fotografia?'”

“A vida só nos traz algo bom se fizermos algo bom para alguém…”

“Lembrar que um evento pode ser 1% para nós mas para o cliente é 100% e para ele, seremos sempre os melhores do mundo pois ele confia em nós…”

“A preparação não vem antes da coragem…”

“Tudo o que fazemos deve ter sentimento…”